Título: GM abre inscrições na próxima segunda-feira    
   Jovens de 14 a 18 anos interessados em obter qualificação profissional e atuar no mercado devem ir até a sede da instituição
          

"A Guarda Mirim de Foz do Iguaçu abre na próxima segunda-feira, 17, o período de inscrições de jovens interessados em obter preparação e qualificação profissional para encaminhamento ao mercado de trabalho. Podem se candidatar, para tentar obter uma vaga na instituição, adolescentes de 14 a 18 anos, residentes em Foz do Iguaçu, e que estejam estudando. Fundada há 33 anos, a Guarda Mirim é referência neste tipo de serviço.
As inscrições seguem até 28 de janeiro na sede da instituição, na Travessa Tadeu Trompschinski, 56, Vila União, das 8h às 14 horas. O atendimento será por meio de senhas, restritas a cem por dia. Nesta etapa, não é necessária a presença dos pais. Por isso, os adolescentes podem procurar a entidade e levar comprovante de residência, declaração de matrícula — para comprovação de que está estudando, um dos requisitos — identidade ou certidão de nascimento. No momento da inscrição é solicitada ainda a indicação de um ponto de referência da casa, para facilitar a localizar com mais rapidez pela equipe de avaliação. Caso o adolescente seja selecionado, será então necessária a presença dos pais, que terão de assinar a documentação.
Colocação
Conforme Ângela Theresa Atui Leite — que ao lado de Carina Beatriz da Silva atua no departamento de assistência social da instituição — não há limite de vagas, mas o adolescente aguarda um determinado período até ser chamado para ingressar na Guarda Mirim. "Para se ter ideia do volume, estamos atendendo a demanda de 2009. Agora, quando abrir a próxima turma, chamaremos mais jovens de 2009, para depois começar a chamar os de 2010. Não se consegue atender no ano, pois é muita gente. Nosso cadastro de espera tem mais de 4 mil inscritos", explicou.
Outro parâmetro que comprova a demanda é o número dos atendidos no ano passado: 1.092. Destes, mais de 800 estão trabalhando. No ano passado foram feitas mais de 1,6 mil inscrições.
Antes de ser encaminhado ao mercado de trabalho, os jovens selecionados passam por um atendimento inicial no contraturno, de 40 a 45 dias. Neste período, eles permanecem na entidade de segunda a sexta-feira, quando mantêm contato com a instituição e com os funcionários. "Eles recebem noções de cidadania, do Estatuto (da Criança e do Adolescente), sobre a Guarda Mirim e sobre saúde", enumerou Ângela. Fazem parte da equipe que os acompanham, além das duas assistentes sociais, pedagogo, psicólogo e educadores, entre outros. Posteriormente, os jovens serão atendidos ainda por uma equipe de cerca de 30 funcionários.
Depois deste período inicial, os jovens passam para o curso de aprendizagem e qualificação, ministrado por uma contratada pela entidade. No total, são dois anos de formação nas mais diversas áreas. Ao terminar o contraturno inicial, já se inicia também o encaminhamento ao mercado de trabalho. "Ele trabalha, faz o curso de aprendizagem e estuda. É uma jornada em que se estuda um período, trabalha no outro e faz o curso duas vezes por semana, em que a empresa o libera. Para a empresa, é como um dia de trabalho".
Perfil
Em sua maioria, os jovens que procuram pela Guarda Mirim são de famílias de baixa renda, no entanto, há adolescentes com boa situação financeira. Conforme Ângela, a instituição "não fecha o portão" para os que a procuram.
Além disso, quando a entidade não consegue atender os jovens que desejam fazer cursos, eles podem ser encaminhados a outros órgãos. "A maior reclamação das mães aqui e que eles estudam um período e outro ficam na rua. Então, nós, do serviço social da guarda, estamos sempre inteirados".
Entre os parceiros, estão o Sesc, Senac, Sest/Senat e ONGs como a Casa Família Maria Porta do Céu, além de um projeto de qualificação no fórum de Justiça Estadual. "Onde sabemos que tem alguma coisa que possa atender, para o adolescente não ficar um período na rua, fazemos o contato e o encaminhamos. Alguns deles (dos jovens) têm inscrição na Guarda Mirim e estão aguardando; outros não têm e alguns até mesmo passaram da idade de inscrição e nós, mesmo assim, os encaminhamos".
Recepção
Na outra ponta do trabalho prestado pela Guarda Mirim estão as empresas, que são, segundo a assistente social, muito receptivas a estes jovens. Como explicou, o leque de conveniadas é tão grande, a ponto de em alguns momentos não ter meninos e meninas para mandar para as empresas. Outro que pode ser considerado parceiro é o procurador do Trabalho, Enoque Ribeiro, que acompanha de perto o trabalho da instituição. "Ele sempre encaminha pra gente, está aqui dentro para ver como funciona, tem contato direto com a nossa direção. É um parceiro mesmo", complementou."

Reportagem
Nelson Figueira
Fonte: A Gazeta do Iguaçu (acesso, clique ao lado). ( http://www.gazeta.inf.br/noticias.php?acao=ler&id=41875 )





Autor: Guarda Mirim
Data:  1/24/2011 12:00:00 AM